Arquivo mensal: junho 2014

Sobre pessoas e relacionamentos

_ E como foi o relacionamento?

_ Namoramos 5 anos. E demorou mais 8 anos pro relacionamento terminar.

Anúncios

Sobre como futebol combina com tudo

O job era pra aliar empresa com a Copa do Mundo…

 

Há 45 anos, o time da Perfipar sua a camisa todos os dias para entregar aos clientes os melhores produtos com a melhor qualidade. Amanhã o time Perfipar vai estar no banco de reservas, mas por um bom motivo, torcer pelo Brasil!

 

E se…

Faço aniversário em maio e sempre quando chega o dia me pergunto qual o sentido da vida.

Então percebo que não há forma que me defina, nem formato que me preencha, estou em fase de formação… e acho que o sentido da vida é…

Beijar a careca do seu avô com Alzheimer e ele sorrir de volta, mesmo sem saber quem você é.

Vislumbrar como os olhos da sua mãe brilham quando encontram os seus e se sentir a pessoa mais amada do mundo.

Brigar com seu irmão e nem precisar pedir desculpas.

Chorar lendo um livro que fala de relacionamento com Deus, o melhor amigo de todos.

Ir à igreja e ter a certeza de que vale a pena acreditar nas pessoas.

Pagar um chocolate pra um amigo (a) sem aviso prévio ou interesse. Só por amizade.

Tratar os de baixo e os de cima da mesma maneira, com educação, respeito e sorriso.

Apaixonar-se sem medidas e acreditar que é pra vida toda, mesmo sabendo que não.

Esperar o amor em forma da pessoa certa, e ai “morar um no outro”. (copiei essa parte do Mario, o Quintana)

Então acordo com a realidade gritando em meus ouvidos. Existem os problemas, as pessoas que preferem estar do lado B da força e minhas frustrações de estimação. Mas mesmo assim, enquanto todos perguntam “E agora?” Eu insisto no “E se…”

A tal pinta… na boca

Me observava. Até que a fatídica pergunta surgiu entre nós.

_ Você tem uma pinta na boca?

_ Tenho.

_ Que diferente… Um charme!

Essa foi uma reação tranquila. Lembro de uma vez, um engraçadinho me perguntou se o carrapato na minha boca não estava incomodando. Carrapato? Na boca?

Noutra (acho que na 5ª série), o Wilson fez, com caneta preta, na própria boca, uma pinta. Só para tirar onda com a minha cara.

Quando o assunto é beijo, ela é fetiche. Com direito a promessas de quem quer arrancá-la com uma mordida.

Dra. Adelia, minha dermatologista, quer tirá-la por precaução médica. Protelo. Há anos.

Segundo o dicionário Pinta é uma pequena mancha ou sinal de nascimento. Amo a minha. Sem ela não seria eu. Faltaria uma identidade.

Quando penso na vida

Fazer o quê, se a vida é isso e isso é pouco?

O nosso filme

Nosso filme deveria estar na pré-produção. Bons filmes respeitam o tempo necessário para cada etapa, caso contrário, correm o risco de serem apenas medianos ou nem chegar a filmagem.

Você me definiu como o mocinho do nosso filme, nem perguntou se eu concordava e, de brincadeira séria, impôs um teste do sofá, que não fiz.
E então, como roteirista egoísta que é, me promoveu a vilão. Assim, arbitrário, ansioso e precipitado.

Gosto dos vilões. Mais interessantes que mocinhos. Acontece que não sou mocinho, nem vilão. Ou sou os dois ao mesmo tempo, além de outros personagens. Você também. Todos são. O bicho humano é tão complexo que usar apenas uma definição é, no mínimo, burrice.

Pois bem, acho que chegou minha hora de atuar, e como vilão. Até por que, odeio levar a fama sem ter rolado na cama. Serei um vilão que só quer ser feliz, lutando contra pessoas que só querem ter razão. Isso te soa familiar? Tem certeza que me quer como vilão?

Nosso filme está sem final, mas já tem um belo clímax, não acha?

Enquanto isso no lustre do castelo…

_ Estou namorando comigo agora.
_ Folgado! Não vale. Pegou o mais gato… rs
_ uahuahuaha’