No ônibus vermelho, de olhares cinzas, ela se ofereceu para segurar minha mochila e cochilou.

Cochilou como quem se sente absurdamente à vontade, ao segurar gentilmente os pertences de terceiros.

– oemquepensar