Os de ontem foram tragicamente mágicos.

Hoje, não existem. Talvez pelo excesso de vida adulta e praticidade.

Os de amanhã têm de valer a pena.

O definitivo precisa chegar ontem, ser como hoje e ficar para sempre, a partir de amanhã.

– oemquepensar